Hoje mais conhecido como uma entidade negociadora dos direitos de transmissão dos jogos de futebol, o clube dos 13 nasceu com outros propósitos. A história desse grupo é permeada por algumas polêmicas, é verdade, mas lá em 1987, a ideia era reunir os clubes mais populares do país para diminuir prejuízos financeiros. À época, os times menores argumentavam que as principais agremiações é que deveriam bancar os jogos, o que gerava enormes custos.

Neste post, vou explicar como o clube dos 13 impactou o futebol brasileiro. O grupo foi responsável principalmente por gerar as altas receitas de TV e patrocínios que passaram a entrar nas entidades esportivas, gerando inclusive empregos.

Como nasceu o clube dos 13

Tudo começou em 1987, quando o clube dos 13 foi fundado para defender os interesses comerciais dos 13 principais clubes do Brasil. À época, integravam o grupo os times Flamengo, Fluminense, Vasco, Botafogo, Santos, São Paulo, Palmeiras, Corinthians, Internacional, Grêmio, Atlético-MG, Cruzeiro e Bahia, que representavam juntos, na época, 95% dos torcedores do país.

Depois, a pedido da CBF, foram incluídos no clube Goiás, Curitiba e Santa Cruz, sem nenhum critério técnico para isso. O grupo então contava com 16 times membros. Ao longo dos anos, o clube dos 13 inchou e passou a ter 20 clubes com as entradas de Atlético-PR, Coritiba, Goiás, Guarani, Portuguesa, Sport e Vitória.

Primeiro racha com a CBF

Na época, a CBF passava por problemas financeiros, e o clube dos 13 assumiu a responsabilidade pela organização do Campeonato Brasileiro. Foi assim que surgiu a Copa união, disputada entre os times mais populares do País. Em termos de arrecadação, foi realmente um sucesso: a competição se tornou a segunda maior da história em média de público, com cerca de 20 mil pagantes por jogo.

A CBF então acabou voltando atrás, e organizou uma competição própria em meio à Copa União. Essa competição ficou conhecida como módulo amarelo, e contou com 16 outros clubes. O Sport foi o campeão final em cima do Guarani. A CBF também considerou que a Copa União seria o “módulo verde”, e determinou que deveria haver um cruzamento entre os dois módulos, além de Flamengo e Internacional em um quadrangular para definir o campeão.

Só que os dois clubes maiores, Flamengo e Internacional, discordaram da entidade e se negaram a jogar o quadrangular. A CBF então anunciou o Sport como o campeão e o Guarani como vice e os dois clubes inclusive representaram o Brasil na Libertadores de 1988. Em 2011, a CBF oficializou a conquista do Flamengo, e manteve o Sport também vencedor.

No ano seguinte à criação do grupo, a CBF voltou a organizar o Campeonato Brasileiro, e manteve o nome Copa União. Em 2000, o clube dos 13 voltou a organizar o Brasileiro, que ficou batizado de Copa João Havelange, a competição reuniu mais de 100 clubes divididos em quatro módulos (azul, amarelo, verde e branco). O Vasco foi campeão depois de derrotar o São Caetano.

Importância do clube dos 13 no futebol

O principal impacto do clube dos 13 no mundo esportivo foi econômico. Em 1996, o grupo decidiu mudar as regras de transmissões de jogos ao vivo. O objetivo era levar mais público aos estádios. Em novembro daquele ano, a entidade passou a restringir as exibições nos locais de disputa das partidas. Por meio das altas receitas de TV e patrocínios que passaram a ingressar nas entidades esportivas, houve geração de empregos, aumentando também o impacto social do clube.

Criação da Timemania

O clube dos 13 também foi importante nas discussões sobre a Timemania, loteria criada pelo governo federal em 2006 para sanar as dívidas de equipes de futebol do país. A entidade teve participação direta nas discussões que levaram à formulação da loteria, e esteve presente inclusive durante o sancionamento da lei. 

Pontos fora da curva

Insatisfação nas negociações e compra dos direitos pela RedeTV!

Em 2011, a entidade enfrentou o que depois ficou conhecida como uma de suas maiores polêmicas. Naquele ano, estavam em negociação os direitos de transmissão dos próximos três Campeonatos Brasileiros (2012, 2013 e 2014). Primeiro, o Corinthians se mostrou insatisfeito com as negociações e pediu o desligamento da entidade.

Depois, os times cariocas Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo demonstraram publicamente, em uma nota divulgada à imprensa, que estavam descontentes com a associação. Apesar disso, deixaram claro que não sairiam do clube. Outros clubes também se manifestaram. O Coritiba emitiu um comunicado dizendo que também discutiria valores diretamente com as emissoras. Grêmio, Santos e Cruzeiro decidiram vender seus direitos de forma independente.

Ao mesmo tempo, Santos, Bahia, Atlético-MG, São Paulo, Atlético-PR e Internacional aprovaram o edital de licitação dos direitos de transmissão dos três próximos campeonatos, foi aí que a Globo e a Record desistiram de fazer propostas ao clube e foram conversar diretamente com os times dissidentes. A RedeTV! foi anunciada dona dos direitos de transmissão do Brasileiro com oferta de R$ 1,548 bilhão por três anos.

Então a Record oficializou uma proposta de R$ 100 milhões anuais a Corinthians e Flamengo, e a Globo acertou as transmissões com 15 times, dissidentes e aliados do clube dos 13. Fecharam com a Globo Corinthians e Flamengo, que recusaram a Record, além de Botafogo, Vasco, Fluminense, Atlético-PR, Bahia, Coritiba, Cruzeiro, Goiás, Grêmio, Vitória, Santos, Sport e Palmeiras.

Reação da RedeTV!

À época, a RedeTV!, prometeu ir à Justiça com denúncia formal por desrespeito às determinações do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Ao mesmo tempo, a associação divulgou uma lista de 11 equipes que usaram a entidade como avalista em troca de empréstimos bancários, o que os obrigaria a aceitar os resultados da licitação. Foram incluídos nessa lista Botafogo, Vasco, Flamengo, Coritiba, Cruzeiro, Bahia, Vitória, Grêmio, Sport e Guarani e Internacional. 

O clube dos 13 teve um impacto enorme na transformação do mundo esportivo brasileiro. A partir da entidade, os jogos passaram a ser mais rentáveis, e toda a cadeia do futebol brasileiro se transformou, gerando novos e bons empregos e se transformando no que é hoje. Gostou do nosso conteúdo? Quer conhecer mais sobre o mundo dos esportes? Leia nosso post sobre marketing esportivo e saiba como ele pode unir empresas e clubes!

 

curso gestão e marketing esportivo

03