Esporte e cultura são conceitos muito próximos. Ambos são essenciais para o crescimento e o desenvolvimento das pessoas, independentemente da idade. Entender a cultura de um povo faz também entender sobre a influência da prática esportiva na sociedade.

Tanto o esporte quanto a cultura têm influência direta na formação de caráter e na qualidade de vida. Por isso, eles são tão importantes e precisam ser vistos como essenciais para todo tipo de sociedade.

No Brasil, os últimos anos foram recheados de grandes eventos esportivos e também culturais. As Olimpíadas, a Copa do Mundo, o Pan Americano e outros tantos. Isso trouxe para o país um sentimento esportista muito bonito, que deve ser fortalecido em cada um dos cidadãos.

O esporte propicia a busca por um mundo sem guerras, une as pessoas e promove a paz e a luta por questões que afligem a humanidade.

Exemplo disso foi a abertura das Olimpíadas de 2016, com a sua crítica ao aquecimento global, ao desmatamento, à escravidão e à morte de indígenas, situação que, até hoje, é uma realidade no Brasil.

A seguir, no post de hoje, veja como o esporte influencia toda a cultura de um país, desde as questões íntimas de um cidadão até os problemas estruturais e conjunturais de uma nação.

Esporte e cultura na formação do indivíduo

A primeira questão que envolve o esporte em uma associação cultural forte com as pessoas é exatamente a formação do indivíduo.

Uma criança, em meio ao esporte, elimina da sua vida vários problemas que poderiam se desenvolver se ela tivesse tomado outro caminho.

Ao entrar na vida dessa criança, o esporte a ensina a respeitar as outras pessoas, a valorizar os estudos, a ser tratada com dignidade, a ter amor-próprio e a desenvolver disciplina e paciência.

Alguns desses valores e habilidades faltam para a maioria das pessoas. Com a sociedade mais estressante do que nunca, são muitos os que não querem saber de educação, respeito, cordialidade, gentileza e organização.

É comum o sentimento de que vivemos no “mundo dos espertos”. Ou seja, se você comete algum erro, outra pessoa vai lá e toma o seu lugar sem nenhum tipo de cerimônia. E isso é ruim para as relações interpessoais em longo prazo.

Mas essas vivências podem ser combatidas com o auxílio do esporte. Fazendo uma atividade, a pessoa aprende a respeitar a liberdade do outro, perde preconceitos e também aprende que todos têm direito de ser o que quiserem.

O esporte forma cidadãos éticos, que, além de serem contra qualquer tipo de corrupção, quando veem algo errado, são os primeiros a denunciar, sempre buscando a solução para um problema coletivo.

O esporte é a cultura do bem, da vida saudável em sociedade, da paz e do amor.

O esporte nos relacionamentos humanos

O esporte tem um grande poder de socialização, independentemente da classe social, gênero, religião ou outros segmentos da sociedade.

Em um jogo de futebol na rua ou em uma partida de basquete na escola, por exemplo, laços de amizade são criados e fortalecidos.

Assim, basta assistir a alguns jovens praticando esportes para perceber rapidamente o desenvolvimento da comunicação, das relações socioafetivas e da sociabilidade.

Mesmo quando falamos em esportes individuais, podemos dizer que a competição com o oponente cria laços — ao dividir tristezas e alegrias com o adversário.

Sem dúvida, o esporte propicia uma troca de vivências que leva o indivíduo a enxergar além de si mesmo. Isso pode ser alcançado por meio da ajuda a um companheiro ou pelo desafio de superar limites e obstáculos que favorecem a sociabilidade. 

O esporte como uma fuga das tensões cotidianas

Vivemos em uma época que os diversos compromissos diários, violência urbana, falta de espaço para a prática esportiva ou até mesmo a presença do mundo virtual favorecem ao sedentarismo que acaba trazendo muitas tensões para a sociedade.

Silvino Santin, em seu livro “Educação Física, outros caminhos” (1993), afirma que, em tempos de crises culturais, a imagem da pessoa é a primeira a ficar abalada. Por isso, o indivíduo acaba sentindo-se em perigo ou perdido.

esporte entra como uma válvula de escape das tensões. No entanto, é preciso ter o cuidado para que as competições não virem verdadeiros campos de batalhas.

Assim, cabe uma reflexão sobre até que ponto a felicidade do vencedor é saudável perante a derrota e humilhação do adversário.

Nesse sentido, quando falamos da influência positiva do esporte na sociedade, devemos valorizar prioritariamente a integração e participação de todos.

O esporte na qualidade de vida e saúde de quem o pratica

Quando o tema são os benefícios da prática esportiva para a qualidade de vida e saúde, é importante ressaltar que isso vai além das características físicas.

De fato, o esporte favorece o engajamento das pessoas na discussão e reflexão sobre as relações sociais e valores pessoais.

Em uma quadra, todos são iguais e podem alcançar o êxito. Assim, a competição é saudável. E isso inclui o fato de querer ser o melhor, o mais veloz e, não menos importante, entender que em uma equipe todos precisam ser melhores juntos.

“Desse modo, o esporte não só proporciona formação social e educacional como também contribui para a formação do caráter”. 

Esse trecho de Marcio Marques Geller, em seu livro “Psicologia do Esporte: aspectos em que os atletas acreditam“, de 2003, ilustra a importância do esporte para o caráter. Quando o indivíduo possui bons valores, isso acaba refletindo em melhores relacionamentos, qualidade de vida e saúde.

O esporte e o seu apelo político

É inegável o apelo político dos esportes junto à população de todo o mundo.

Aqui no Brasil, ficou muito famoso o caso em que uma autoridade decidiu presentear os vinte e dois jogadores da seleção de futebol que haviam conquistado a Copa do Mundo de 1970 com um carro para cada um — pagos com dinheiro dos cofres públicos.

Recentemente, o político foi condenado a devolver tudo que foi gasto para a compra desses “presentes”. Isso porque a justiça entendeu que o dinheiro deveria ter saído do próprio bolso do político e não das reservas financeiras nacionais.

Aqui, não cabe condenar ou apoiar a ação do político, mas sim reforçar o poder que o esporte tem para a sociedade como um todo. O triunfo da seleção de futebol trouxe um sentimento de nacionalismo e orgulho pela pátria tão fortes na população, que cada jogador foi recompensado por isso.

Um exemplo parecido pode ser visto no filme “Invictus”. A produção, baseada em fatos reais, conta a história do presidente da África do Sul, Nelson Mandela, que se aproveitou da conquista da seleção nacional de rugby para promover a integração do seu povo que vivia sob o regime de segregação racial.

Mais adiante, falaremos sobre outros episódios em que o esporte esteve ligado a exemplos positivos.

O esporte contra os vícios

Além da formação individual do praticante, o esporte também modifica a realidade em que a pessoa vive.

Um exemplo muito importante é o da campeã olímpica de judô, Rafaela Silva. Ela é uma garota negra de origem pobre, nascida na comunidade Cidade de Deus, e venceu muitos obstáculos para alcançar os seus objetivos.

Rafaela é vítima de racismo e de machismo até hoje. Quando foi eliminada nas Olimpíadas de 2012, sofreu ataques que nenhum ser humano deveria suportar.

Mas ela enfrentou o preconceito, treinou e venceu. Deu um tapa de luva em pessoas que desacreditavam de seu potencial e agiam de modo ofensivo.

Em meio à realidade em que cresceu, Rafaela poderia ter sofrido com problemas relacionados ao tráfico de drogas, mas ela teve a oportunidade que muitas crianças em vulnerabilidade social, infelizmente, não têm: conseguiu participar de um projeto que a colocou no mundo do judô.

E para crianças como Rafaela, esse tipo de oportunidade é única. Então, é preciso agarrá-la e não soltar mais. E foi isso o que ela fez.

Rafaela ultrapassou uma série de obstáculos porque teve o judô ao seu lado o tempo todo. Isso fez dela uma mulher forte e corajosa, que venceu o preconceito e as dificuldades com uma medalha de ouro no peito.

Ainda com relação às drogas, existem outros problemas sociais que não atingem somente as comunidades que carecem de mais oportunidades, mas também a sociedade como um todo. 

Muitas pessoas com melhores condições financeiras e em ambientes mais estáveis entram no vício das drogas, tanto ilícitas quanto lícitas (como remédios e álcool).

Pessoas que sempre tiveram oportunidade, dinheiro, chance de ser alguém com sucesso na vida. Mas que, por algum problema no meio do caminho, foram para um lado difícil de voltar.

Também nesses casos o esporte pode ser essencial para uma reabilitação. A aproximação com uma atividade que proporcione desafios, depois do vício em substâncias químicas, oferece altas chances de a pessoa lutar contra a dependência e viver uma vida mais controlada e saudável.

O esporte prova que consegue fazer esse tipo de mudanças diariamente, e não faltam exemplos de atletas de sucesso para provar a teoria.

O esforço é necessário e duro, mas a jornada vale a pena, pois a prática esportiva pode revolucionar vidas.

O esporte nas causas humanitárias

O esporte também é importante para mudar o mundo. O exemplo da abertura das Olimpíadas de 2016, que já vimos antes, é apenas um perto de outros milhares que já ocorreram.

Quem nunca ouviu falar de Jesse Owens, o atleta negro que bateu a hostilidade do racista Adolf Hitler em plena Alemanha? 

Em 1936, ele venceu a principal prova do atletismo e, com essa vitória e um gesto simples, questionou o absurdo da supremacia branca defendida pelo ditador alemão.

O esporte também é sinônimo de solidariedade. Como esquecer a cena das Olimpíadas de Los Angeles, quando a atleta Gabriela Andersen-Schiess enfrentou seus problemas de cãibras e desidratação e terminou a prova da maratona mesmo esgotada?

Foram 90 anos de luta para que as mulheres pudessem participar de uma maratona, e a imagem da atleta é uma prova da luta por uma sociedade menos machista e mais igualitária.

Esses são apenas alguns dos fatos que provam o quanto esporte e cultura estão completamente ligados um ao outro. A prática esportiva é necessária para o desenvolvimento não só de uma pessoa e de um país, mas de todo o mundo.

Sem o esporte, a realidade seria diferente e, certamente, menos enriquecedora. Dentre os muitos exemplos de conquistas, finalizamos este post lembrando a imagem de um dos gestos mais famosos da história esportiva, feito por Tommie Smith e John Carlos, nas Olimpíadas de 1968, no México.

Os atletas, depois de receberem as suas medalhas em uma prova de atletismo, fizeram o gesto do Panteras Negras, grupo historicamente conhecido pela luta contra o preconceito racial, simbolizando o repúdio ao racismo institucionalizado dos Estados Unidos.

Como vimos hoje, o esporte influencia vidas, criando oportunidades de crescimento individual e coletivo. Nesse cenário, esporte e cultura não podem andar separados. A atividade esportiva ensina que as dificuldades fazem parte da vida e que elas podem ser superadas.

Se gostou deste texto, compartilhe-o em suas redes sociais. Mostre para os seus amigos a importância da prática do esporte para a sociedade!

01

 

Leia também:

O Caso Atletiba: bem-vindos a geração do Marketing Esportivo 3.0 no Brasil

A Saga do Tucumán da Copa Libertadores – Impactos e aprendizados para o mercado

Caso Bruno: Gestão de Crise e contratos com patrocinadores

03