O marketing esportivo é um recurso cada vez mais presente no mundo dos negócios. Além de ser uma alternativa de divulgação muito eficaz, ele se mostra bastante lucrativo para ambos os lados, nesse caso, empresas e entidades esportivas.

O fato é que o esporte mexe com algo sonhado por todo profissional de marketing: a emoção. Quando uma empresa decide investir nessa estratégia, ela quer passar justamente a mensagem de que ao adquirir o produto ou serviço oferecido, o consumidor terá sensações parecidas às que são proporcionadas pelo esporte.

E é justamente para falar sobre essa reflexão que fizemos o artigo de hoje. Nele, você entenderá melhor como o marketing esportivo atua, conhecerá alguns cases de sucesso de associações entre marcas e clubes e muito mais. Continue a leitura!

O que é o marketing esportivo e como ele surgiu?

O marketing esportivo tem como principal função gerar oportunidades de negócio para empresas que investem no mundo dos esportes. Ou seja, criar ações e estratégias, e uni-las a esportistas, clubes, campeonatos, entre outros.

O conceito surgiu em meados da década de 1920, com ações da empresa norte-americana Hillerich & Bradsby, que tinha o objetivo de vender tacos de beisebol. Como sucesso da estratégia, outras organizações passaram a ver o esporte como uma oportunidade de gerar negócios lucrativos.

O fato é que as vantagens não só trouxeram benefícios para as empresas, mas também para o esporte como um todo, que passou a ser cada vez mais cultuado mundo afora. Observe, para fins de exemplo, as grandes competições mundiais, como Copa do Mundo e Olimpíadas. Os impactos causados por ela são muitos e marcantes, como investimentos bilionários para os países que as sediam, mais incentivo à prática esportiva, visibilidade internacional, aumento na economia turística e muito mais.

Por que ele é tão importante?

Muitas pessoas ainda se perguntam por que o marketing esportivo funciona tão bem e qual a dimensão dele. Bem, antes de falarmos sobre isso, é fundamental que falemos sobre valores.

Anualmente, a indústria esportiva movimenta bilhões de dólares e é um dos setores que mais cresce na economia.

Além dessa alta movimentação financeira, o setor também possibilita que áreas como vestuário, alimentação e turismo (principalmente devido as competições) se desenvolvam. Ou seja, ele gera impacto sobre praticamente toda cadeia produtiva.

Mas ele não é importante apenas por essa característica. O esporte mexe com a emoção e a paixão das pessoas, e é por isso que ele funciona tão bem. Não é a toa que as marcas buscam se associar àqueles esportistas que estão em alta e às competições com grande visibilidade.

Outra explicação está no fato do esporte ser algo democrático, que une diferentes classes sociais — ou seja, as pessoas têm acesso independentemente de questões financeiras. O que nos leva a outra característica importante: a integração. Isso é, a capacidade de unir as pessoas em torno de um mesmo objetivo.

Para as empresas, essa importância é refletida em visibilidade, reconhecimento de mercado e aproximação com o público. Isso acontece principalmente quando a organização leva em consideração questões sociais, refletindo em ganhos para todas as partes.

Como utilizá-lo?

Hoje, os consumidores se preocupam muito mais com a experiência que terão ao adquirir um produto ou serviço. Isso quer dizer que apenas demonstrar os benefícios dele já não basta, é preciso oferecer algo mais, encantá-lo de alguma forma. E o marketing esportivo tem como propósito enaltecer e reforçar ainda mais as sensações únicas trazidas pela paixão à modalidade favorita daquele público.

O primeiro passo para construir uma estratégia no mundo do esporte é estudar e entender o público-alvo. Depois, construir um plano de ação baseado nas preferências deles e procurar inovar. Podemos citar o exemplo da Heineken nesse momento.

A cervejaria busca unir o inusitado ou atual às suas estratégias. Uma das suas últimas ações levou um grupo de namoradas para assistirem a Champions League, da qual é uma das patrocinadoras. A ideia era acabar com o mito de que só os homens gostam de futebol.

Consequentemente, uma ação bem planejada trará ganhos em mídia para a empresa. O vídeo com a ação da Heineken foi compartilhado milhares de vezes e virou notícia em diversos portais.

Quais os cases de sucesso do marketing esportivo?

Apesar do crescimento, o marketing esportivo no Brasil ainda se distancia bastante do que vemos nos EUA e Europa. Isso porque, no país, a atuação ainda está muito limitada ao futebol.

Um dos primeiros exemplos no país foi justamente no mundo da bola. Foi em 1987 que pela primeira vez um campeonato brasileiro foi financiado pela iniciativa privada. Os patrocinadores foram: TV Globo, Coca Cola, Varig, Editora Abril e Dover Indústria de Plásticos. O projeto foi desenvolvido e comercializado por João Henrique Areias, então Vice-Presidente de Marketing do Flamengo.

No entanto, como dissemos no início do tópico, o país ainda está engatinhando no processo — pelo menos é o que dizem os especialistas. De acordo com Amir Somoggi, o foco ainda está muito nos resultados na atuação, deixando de lado o mais importante de lado: fortalecimento da identidade no mercado. Não é a toa que vemos constantemente mudanças nos patrocinadores.

Confira, a seguir, dois cases de como a aplicação do marketing esportivo é feita em outras competições pelo mundo.

Super Bowl

O exemplo clássico da final da liga de futebol americano (NFL) é um dos principais cases de sucesso do marketing esportivo. Todos os anos, milhões de pessoas pelo mundo são expostas a ações de diversos tipos, que começam semanas antes da grande final (Super Bowl).

São empresas de todos os tipos que criam comerciais específicos voltados para a competição. O objetivo é ganhar visibilidade de marca, visto que a competição é uma das mais comentadas do mundo do esporte. As empresas que investem no Super Bowl não só obtém benefícios de branding, mas também conseguem obter maiores lucros e reter maior atenção do público, que já esperam pelos melhores anúncios.

Barcelona

O clube catalão é um dos maiores exemplos de marketing esportivo da atualidade. Além de ser reconhecido pelo futebol de qualidade e grandes jogadores no elenco, o Barcelona investe em iniciativas que ajudam a reforçar a sua identidade no mercado, garantindo reconhecimento mundial.

Em 2006, o clube foi o pioneiro ao desembolsar milhões de dólares para exibir a marca UNICEF em suas camisas. Sim, a princípio pode parecer inusitado que o contrário aconteça, mas o objetivo do clube era incentivar os projetos executados pela instituição social e criar uma forte identificação com a comunidade esportiva.

Enfim, o marketing esportivo é uma grande aposta para as empresas e também para os clubes. Existem inúmeros exemplos que estão aí para comprovar o que dissemos. Veja a fama da companhia Red Bull que, apesar de comercializar um único produto, é símbolo marcante de eventos radicais e é sempre lembrada por essa característica.

O fato é que a estratégia é uma forma de unir empresas e clubes, criando valor para ambas as partes. E então, gostou do nosso artigo? Tem alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

 

curso gestão e marketing esportivo

 

03